4 dicas para criar boas cenas no seu roteiro.

Atualizado: 26 de Abr de 2020


1. Pense na cena de trás para frente.


Exemplo:


Objetivo da cena: João caminha pela calçada e cai em um buraco no chão.


A partir disso, você começa a pensar de trás para frente e trava uma conversa com seu senso crítico:


OK, mas por que haveria um buraco na calçada?

Poderia ser aqueles buracos da companhia de saneamento básico.

OK, mas nesse caso os funcionários estariam trabalhando e não deixariam João cair.

Poderia ser a hora do almoço, então, nenhum homem estaria no buraco.

OK, mas por que João não veria um buraco no chão?

Ele poderia estar distraído vendo o celular.

OK, mas...


Fazendo as perguntas certas, você diminui a chance de furos nas cenas.


2. Utilize coincidências e situações comuns da vida.


Há roteiristas que confundem esse recurso com "Deus ex machina". São coisas completamente diferentes.


"Deus ex machina" é indesejada tática de criar uma solução inesperada (sem nenhuma coerência com a lógica da trama) para resolver uma questão. Estou me referindo aqui ao uso de coincidências e situações comuns da vida para ajudar o roteirista a construir cenas naturais, interessantes e ricas.


Exemplo:

Digamos que um casal esteja na estrada e o carro comece a ter problemas por causa de um vazamento. Eles param para resolver.


Vamos ver duas opções de solução:


1. A mulher pega um absorvente da bolsa, o marido tira o cinto da calça. Assim, eles conseguem improvisar um conserto temporário para o vazamento até chegarem em casa.

Coerente, uso de coincidências normais, de acordo com a trama.


2. Um carro para na estrada com intenção de ajudar o casal. É um amigo da mulher que estava passando pela estrada exatamente naquele momento, reconheceu a amiga e por acaso também é mecânico.

Incoerente, solução forçada ("Deus ex machina"), fora da trama.


Mais alguns exemplos de coincidências e situações comuns:


Uma esposa pedir que o marido compre algo rotineiro quando ele está na rua;

Uma criança sair da sala para brincar no quintal e deixar a TV ligada;

Uma família ter uma caixinha de remédios em casa;

Um gato arranhar o sofá;

Um senhor de idade avançada esquecer a porta destrancada.



3. Plante uma pista antes para colher agora.

Conduza a atenção do público a favor da sua história.


Exemplo:


Objetivo da cena: Mostrar que o vilão que suga a vitalidade dos seres vivos está na casa do protagonista.

Em uma cena bem antes, o roteirista mostra um vaso de planta bonito na sala. Dez cenas depois, o roteirista mostra o mesmo vaso de planta, agora morto e ressecado. O público faz imediatamente a conexão.


4. Fique atento ao ritmo da cena.


O ritmo inadequado pode estragar tudo.


Se você está construindo um suspense, por exemplo, é necessário alcançar um equilíbrio.


Se demorar demais para revelar, o público se dispersa. Se for rápido demais, o contexto não é construído de forma adequada e o público não é fisgado para dentro da cena.


Para saber qual o ritmo ideal, você precisa sair do lugar de roteirista e se colocar no lugar de quem assiste. Dessa forma, você vai saber perfeitamente se a cena está longa demais, curta demais ou ideal para o seu objetivo.


Vale lembrar que o roteirista pode criar uma cena aparentemente longa demais ou até confusa se ele tiver bons motivos para isso.


O importante é criar toda a trama de forma proposital, tomando as rédeas da história e conduzindo a atenção do público da melhor forma possível.


Leda Ene

Roteirista

162 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo